Hoje é o dia Dele. Nossas famílias foram vizinhas na Rua Velha. Eu ainda não havia nascido. O seu irmão, o hoje Padre Airton Freire (que mais tarde celebraria o casamento de minha irmã Joselaine Vale ) , crianca, vivia aperreando sua mãe Doralice Lima ( Dora Santana na caderneta de fiado do Armarim de Miudezas de Meu pai Ze Lopes ), porque ele queria Comprar os Picolés que minha fazia , mas tinha problemas nas amigdalas. Seu irmão mais velho Jairo Freire era afilhado do meu avô, Júlio Marciano. Wilson Freire , Assim como seus irmãos Airton e Jairo gostavam muito de frequentar os bancos de madeira fa Venda do meu avô. Nossas famílias sempre foram muito proximas, meus pais e seu Jaime e dona Dora eram colegas na Legião de Maria. Papai e seu Jaime foram Vicentinos.

Cresci admirando Wilson, nosso Bida do Cabo Jaime ( de Vicente Santana da Rua Velha). Através do primo de seu pai , Waldemar Cordeiro, “o Gênio do Lirismo”, ” Dema do Moxoto “, fui conhecendo como Poetas , outros integrantes da Família Santana Freire , Marcos Cordeiro e os irmãos Antônio Antonio Amaral, Luiz Pinheiro Luiz Pinheiro Filho Lpf, Valter Amaral, estes últimos três também meus primos pelo meu lado materno. Valter , que passou a estudar comigo no CEOB foi que primeiro me apresentou um Livro de autoria de Bida : ” Um Espaço de ausência “. Fiquei fascinado. Fui conhecendo outras faces do seu então médico recem formado autor teatral de várias peças, entre as quais “Rua da Cruz, sem Número “., editor e cronista dos Jornais alternativos locais Tribuna do CEOB e o Carcará. Participei da campanha de seu irmão , meu amigo Wellington Santana a prefeito de Sertânia pelo PT em 1988. Ficou na História.

Quando fui estudar em Recife ,anos 90, frequentava seu apartamento e de sua sempre doce e amável Lucia Souza, no Bairro da Torre. Outro dia disse a Clarice Freire, autora do Po de lua , que a vi de braço, era uma criancinha de seus dois anos na época. Eu me impressionava com suas composições em parceria com Gripa de Sertânia, gravadas em Estúdio de Tovinho e que ouviamos numa fita cassete, nas canções dele com Walmar, que venceram vários festivais de frevo no Recife, desbancando medalhões e já iniciava a consagrada parceria com Antônio Carlos Nóbrega.

Dai em diante tornei me espectador privilegiado de sua carreira de colecionador de sucessos como escritor ( Contista , romancista, literatura infantil, literatura de cordel , Poesia ) , Cineasta e compositor de diversos gêneros. Sempre com um respeito muito grande a Sertânia, a terra onde foi criado , onde teve sua formação escolar e cultural, onde fez cultura pela primeira vez organizando a Semana Estudantil de Artes , montando peças teatrais, fazendo poesia ,publicando jornais e compondo músicas. Um artista múltiplo, que na sua polivalência de dons está sempre buscando e expermentando novas linguagens artísticas para expresar a sua alma plural. Pai de duas grandes artistas , a escritora Clarice Freire e a cantora Sofia Freire

Hoje, escolho essa sua imagem na Antologia Ecos do Nordeste, por nós e Adriana Mayrink publicada em Portugal, Para ilustrar a Festa que o Moxoto do meu coração faz pelos seus 60 anos de vida. Que ele possa ter saúde, paz e luz para continuar essa sua fantástica missão de autor de forma tão bonita e intensa. Que Deus o abençoe e o ilumine cada vez mais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça um comentário!
Coloque seu nome aqui