Um Festival que reúne as mais variadas linguagens poéticas da região sertaneja do Nordeste, fazendo um trajeto de retorno a terra –mãe da língua portuguesa. É o que se propõe o XI FLIS- Festival Literário Internacional do Sertão, iniciado no dia 20 de Novembro e que vai até 13 de fevereiro de 2019. Na programação Lançamento de livros, Saraus de Poesia, Projetos de leitura,  Cantoria de viola, Literatura de Cordel, Aboiadores em eventos  como  a Festa da Poesia,  Sarau da Resistência, Feira do Livro Sertanejo, Flis infantil,  Noite da Viola, entre outros. As atividades acontecem em Sertânia, Arcoverde e Olinda( PE), Monteiro (PB), Salvador (BA), Campinas e São Paulo(SP) e Lisboa (Portugal). O XI FLIS- Festival Literário Internacional do Sertão iniciou sua programação em Sertânia-PE, no dia 20 de novembro com uma palestra sobre a Consciência Negra, com a Professora Bernadete Lopes, ex-presidente da Fundação Palmares (Ministério da Cultura, Gestão Gilberto Gil), na Escola Professora Jorge de Menezes, cuja Biblioteca Escolar é um dos organizadores do Festival. Em seguida, na Sexta –feira  dia 23 , na Casa dos  Poetas, com a Noite da Viola, Cantoria de viola com os Cantadores Repentistas Michel Torres e Asa Branca ( Monteiro-PB), Com recital dos Poetas Gabriel Oscar, Josessandro Andrade, declamador Joselito Maciel (Nenen das Cocadas) e Alane Gaspar, além das atrações musicais Deda e Douca. Houve ainda o o lançamento do folheto de cordel “Asa Branca o poeta do improviso repentista de grande qualidade”, em homenagem ao Poeta Asa branca do Ceará, de autoria de Josessandro Andrade e Samuel Quintans. No sábado dia 24 de novembro, em Monteiro-PB,  aconteceu o FLIS infantil o lançamento do Livro ”o Tejo Entojado”, da escritora Lizzianne Azevedo, no Auditório da Escola Maria Laudiceia de Freitas.
A   Programação prosseguiu nesta quarta-feira, dia 28   no FLIS Monteiro, logo as 9 e meia da manhã, com a  Festa da Poesia no Teatro Jansen Filho, exibindo para os alunos do ensino fundamental das escolas da rede pública estadual da Paraíba, numa parceria com a Gerência regional de educação  do Cariri,  o filme documentário sobre o Jornal de Poesia Cabeça de Rato, que este ano completa 30 anos de existência. Em seguida  representando os poetas editores do “Cabeça de Rato”,   Josessandro  Andrade, conversou com os adolescentes e crianças sobre o jornal e a poesia. A  Tarde tivemos as 16 horas o Lançamento da Antologia “Ecos do Nordeste”, livro  publicado em Portugal, que reúne trabalhos de  poetas nordestinos . De  Monteiro estão incluídos  Pinto do Monteiro, Asa Branca do Ceará, Silvio Guilherme, Zé Luiz e Horácio Honorato. Posteriormente Sarau com poetas e artistas de Monteiro-PB e região,  com Zé Luiz , Angélica Costa, Josessandro Andrade, Carrinho da Prata, Chiquinho de Belém, Lucio Amador, Renê Cavalcanti, Dejinha de Monteiro, Pitágoras, entre outros, na Livraria Casa Progresso.
No próximo sábado o XI FLIS tem continuidade no dia 01 de Dezembro em Portugal, No Palácio Baldaya, em Lisboa, com o FLIS Lisboa. As  11 horas teremos a Tertúlia com o Lançamento do CD de Vera Barbosa, que através da música nos leva aos poemas de Fernando Pessoa, José Saramago,  Manuel Bandeira, Rita  Alves, Márcio Catunda e Paulo Leminisk . Logo após Lançamento da Antologia “Ecos do Nordeste”, organizada por Adriana Mayrinck e Josessandro Andrade, publicada numa parceria entre a Infinita Lisboa e a Moxotó Produções Editora.   No Dia  07 de dezembro, a partir das 8 da manhã no centro comercial de Sertãnia, em frente ao Varejão Supermercado teremos a Feira do Livro Sertanejo, espaço da leitura , educação e cultura popular. Haverá  estandes  com Livraria Cabras do Moxotó, de autores locais e regionais, Cordelândia-Cordel de Sertânia para o Mundo, além de estande do homenageado Abaete do Cordel,  poeta cordelista sertaniense radicado em Natal –RN, fundador da Casa do Cordel, que este ano completa 10 anos existência, celebrando assim a literatura de cordel por ter sido aclamada como Patrimônio cultural imaterial brasileiro.
Lançamento do cd de poesia popular  declamada do cantador e cordelista Asa Branca.\Haverá ainda apresentação de poetas aboiadores e sanfoneiros. Já no Dia 08 de Dezembro, as 18 horas , em frente a Casa dos poetas, na Rua das Tabocas, tem o Sarau da Resistência, em homenagem aos 10 anos da  SAPECAS-  Sociedade dos Poetas, Escritores, Compositores e Artistas de Sertânia. Além do Lançamento da Antologia Ecos do Nordeste , dos autores do livro e de poetas convidados, haverá como atrações musicais Zé Luiz do Candeeiro, John Moraes, Jairo Novinho e a sanfoneira Emanuely Dantas, de apenas 15 anos de idade. A programacão prossegue com Saraus e lançamentos da Antologia Ecos do Nordeste, sendo em Olinda-PE, dia 15 de dezembro, na Casa dos Poetas 2 , filial Olinda, na Rua do Bonfim , 154, no Carmo, com homenagem ao Poeta Marcos Cordeiro, dia 16 em São Paulo -SP, no Restaurante Feijão de Corda , na Confraternização do Programa Pintando o sete, espaço de cultura nordestina na Rádio Imprensa  FM, sob a coordenação do poeta, cantor e compositor Luiz Wilson e dia 13 de fevereiro no Sarau da Dalva, em Campinas –SP, organizado pelo poeta Samuel Quintañs, (natural de Monteiro- PB,  Bar do Manoel- Estrela Dalva.  Em Arcoverde-PE, dia 21 de dezembro , a partir das  18 horas na Livraria Lira Cultural,  a cargo dos Poetas Genival Poeta, Leandro Vaz e Diosman Avelino. O Evento em Salvador ocorrerá em 12 de janeiro , em hora e local a ser definido.
 BALANÇO HISTÓRICO
O Flis obteve este ano um crescimento substancial. Ao todo são  8 cidades, 4 estados e  2 países contemplados pelo Festival, que iniciou timidamente em 2007, na Escola Olavo Bilac. Em 2009 , (e depois se transferiu para Escola Professor Jorge de Menezes onde está até hoje), ganhou o Prêmio Nacional Viva a Leitura, do MINC- Ministério da Cultura e do MEC- Ministério da Educação e da Fundação espanhola Santilianna. Em Solenidade presidida pelo então Ministro da Cultura Juca Ferreira, O  Poeta e professor Josessandro Andrade, que recebeu a premiação  no  Auditório do Museu da Lingua Portuguesa, em São Paulo-SP, no dia do  seu aniversário não esconde a emoção até hoje. “Sempre disse que este prêmio não era só meu, mas dos poetas, dos escritores, dos professores e alunos, do povo de Sertânia em geral , pois é uma conquista da cultura de nossa terra.”, afirma acrescentando que o fato do  FLIS trabalhar nas escolas as obras dos escritores sertanienses foi o que fez a diferença na premiação. “Mas nunca imaginei que se espalharia pelo Nordeste, por são Paulo e até pelo exterior”, complementa Josessandro.
    ECOS DO NORDESTE- A ANTOLOGIA
 A Antologia “Ecos do Nordeste” é  fruto do projeto editorial firmado numa parceria da Infinita Lisboa, empresa de assessoria literária da brasileira  Adriana Mayrinck  e do Português  Emanuell Eneolino , com a Moxotó Produções editora, de Josessandro Andrade.  Mais de cem poetas, dos nove estados do Nordeste estão nas páginas do livro.  Nomes mais conhecidos como Pinto do Monteiro, o Rei dos cantadores, a Cascavel do repente, Wilson Freire, Vinicius Gregório, jovem poeta de São José do Egito, ou aqueles que estão despontando no mundo das letras  como Zé Luiz Cavalcanti , Angélica Costa e Leandro Vaz.  A capa é uma tela de Zito Jr,  “A ceia dos Vaqueiros” e as ilustrações são de Erick Lima, Xilogravurista filho do Poeta Abaeté.  Ela estará sendo lançada no festival e será distribuída em Portugal, nos eventos literários de Lisboa, nas bibliotecas e festivais, notadamente para escritores, estudiosos e o público interessado. A antologia  tem sido divulgada  pelo Blog português  Toca a escrever.
SERTÂNIA : REPÚBLICA DA POESIA
 O Tema do FLIS deste ano enfoca Sertânia, cidade-mãe do Festival como “República da Poesia”, pelo fato de ser um  berço de poetas das mais diferentes matizes e acolher as mais variadas linguagens poéticas. De  Sertânia encontra-se brilhando na  Antologia “Ecos do Nordeste”, desde a Poesia livresca dos “Mestres do Moxotó” , indo da Poética sertaneja de Ulysses Lins- O Trovador do Sertão,  ao romantismo simbolista de Waldemar Cordeiro( Dema do Moxotó)- “O Gênio do Lirismo”, aos Sonetos premiados de Alcides Lopes de Siqueira- O Doutor da Poesia”, até o verso livre de Luiz Carlos Monteiro e a canção  nordestina de Jairo Araujo, mas também encontramos  na Poesia Popular, da   Cantoria de Viola Moxotesca do jovem cantador repentista João Lídio, da Literatura de Cordel da Resistência de Abaeté do Cordel,  da Toada Boca de grota de Inácio Siqueira- O Pastor do Gado, aos compositores de emboladas  gravadas pela dupla Caju e Castanha, Luiz Wilson e Duval Brito.  Na Antologia “Ecos do Nordeste” dezenas de poetas sertanienses estão inclusos, Estima-se que haja cerca de 110 escritores com livro publicado em Sertânia, numa população de menos de trinta mil habitantes, dando um total de cerca de 300 livros publicados.  A Cidade conta com o Jornal de Poesia “Cabeça de Rato”, que circula há trinta nos, sendo distribuído nas escolas, publicando poetas locais e regionais, com a Casa dos Poetas, um Museu Da Poesia da terra, que funciona num bar e petiscaria, onde ocorre atividades poéticas e musicais, que é também portal de poesia na internet e possui um programa de rádio na webrádio Tribuna do Moxotó.
A casa dos Poetas já possui até filial na área metropolitana do grande Recife, na Rua do Bonfim,  no Carmo, em Olinda-PE,  com a mesma cachaça inspiradora dos poetas, a “Moxotesca”-feita de ervas da Caatinga e a gastronomia do Sertão do Moxotó. Eventos poéticos como  a Caminhada Poética, como poetas e alunos recitando poesia nas ruas da cidade e a missa dos poetas não estão na programação deste ano , mas devem voltar a grade no próximo. No Roteiro turístico “Rota da Poesia”, as pessoas poderão conhecer a Casa dos Poetas, o beco dos poetas, o painel  poético em cerâmica de Marcos  Cordeiro, no Paço Municipal da prefeitura os poemas em placa de bronze na Casa do Ancião, com poemas de Pinto do Monteiro e Josessandro Andrade, além de um equipamento igual com poema de Waldemar Cordeiro na charmosa casa do Médico Edilton Lacerda. “Em Sertânia, a gente brada:’ Poeta!’ e ai , todo mundo se vira prá atender!”, brinca o poeta e escritor colombiano Carlos Enrique Sierra, radicado na cidade. De Fato, há poetas em toda parte e em todas profissões, prefeito como Alcides Lopes de Siqueira, Juiz como Manoel Barros de Freitas, presidente da Câmara de vereadores como Bartolomeu Brasiliano, advogado como Paulo Mariano, Padre como Airton Freire,  professores como Hamilton Rodrigues e Antônio Amaral, dentista como Marcos Cordeiro, Médico como Wilson Freire e Reginaldo Siqueira,  cantor como Adilson Medeiros, cabelereiro como Damião Silva, garçon como Cieudes Brasiliano, Torneiro- mecânico como Anacleto Carvalho, pedreiro como Jaciel Bezerra , gari como Gabriel Oscar e até há pouco tempo  o coveiro da cidade era o poeta Márcio Queiroz. “A cidade respira poesia, música, embora não esteja no caráter oficial da cidade, mas na espontaneidade  e na criatividade do povo. “, afirma o poeta Duval Brito, nascido em Sertânia e radicado em Paulo Afonso-BA, mas sempre há um poeta que aqui ou ali escreva um poema bissexto ou recite versos mesmo sem escrever, como é o caso dos declamadores artesões como Joselito Maciel (Nenen das Cocadas), Abel Doceiro, Gilson Gênio e  o pedreiro Zenilton.
De acordo com Josessandro Andrade, O FLIS é fruto de uma cena literária que acumulou historicamente todo o potencial poético da cidade e sua gente.”Começou lá atrás ,com os Mestres Ulysses ,  Waldemar , Alcides, e veteranos feito Corsino de Brito, Mozart Lopes de Siqueira. Depois com Zito Jr. criando o Cabeça de Rato, com papel muito importante e finalmente a SAPECAS, que passaram a difundir a poesia para os jovens e o povo. Tudo isso desembocou no FLIS e graças a ele Sertânia hoje é uma cidade referência nacional em Literatura e leitura,” pontua Josessandro Andrade.  Desta forma o  FLIS, A SAPECAS e O Jornal de Poesia Cabeça de Rato projetam lá fora um ótima imagem de Sertânia, imagem positiva que só orgulha nossa terra e nossa gente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça um comentário!
Coloque seu nome aqui