Embora nas redes sociais já se dê como certo o fechamento da unidade da Fundação Altino Ventura em Arcoverde, a entidade em contato com a Folha não confirmou seu fechamento. A informação é que a mesma vem enfrentando sérias dificuldades de funcionamento devido a falta de recursos.

De acordo com informações, a cooperativa responsável pela prestação de serviços não estaria recebendo recursos da fundação para pagar os profissionais há meses. O dinheiro deveria vir do Governo do Estado, comandando pelo socialista Paulo Câmara (PSB), recém reeleito na eleição de 7 de outubro passado. Em outras unidades, como na FAV em Recife, mais de 1.400 cirurgias tinham sido canceladas por falta de pagamento aos profissionais no início de outubro, o que levou o governo a pagar, após intervenção do Ministério Público, o mês de agosto dos profissionais.

Ainda em meados deste ano, a FAV reduziu o atendimento em todas as unidades do estado devido ao atraso no repasse dos recursos por parte do governo do Estado.

Problema semelhante surgiu em 2013, quando a mesma unidade ameaçava fechar as portas em Arcoverde. O centro médico, que é referência no diagnóstico de doenças dos olhos e cirurgias de catarata, enfrentava também problemas financeiros. Com despesas superiores a R$ 30 mil por mês, na época, a direção da unidade buscava uma saída para o custeio e manutenção do serviço.

Surgiu então a proposta de participação da iniciativa privada e também a formação de um consórcio entre os 15 municípios beneficiados pela FAV no Agreste e Sertão do Estado, puxado pela Prefeitura de Arcoverde.

Na época, o coordenador de Projetos Sociais e Unidades Avançadas da Fundação Altino Ventura, Gibson Trindade, dizia que o centro de atendimento em Arcoverde havia sido implantado em 2008 e desde então funcionava em um espaço alugado, o que representava um gasto extra, apesar da prefeitura entrar com uma parte da despesa.

Entre as medidas tomadas, foi feito a doação de um terreno no bairro Por do Sol, próximo ao Fórum, para a construção da unidade própria da FAV, mas  a obra nunca saiu do papel. Hoje, o maior custo para funcionamento da FAV em Arcoverde continua sendo a folha de pagamento e o deslocamento da equipe de saúde.

Com informações da Folha das Cidades.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMODA CENTER ABRIRÁ AOS SÁBADOS ATÉ O FIM DO ANO
Próximo artigoSERRA TALHADA SEDIARÁ FEIRA DE NEGÓCIOS ODONTOLÓGICOS
Esequias Cardoso
Esequias Cardoso é professor concursado da rede oficial de ensino do Estado de Pernambuco, graduado e pós graduado em História, pela Autarquia de Ensino Superior de Arcoverde - AESA e Universidade de Pernambuco - UPE respectivamente. Professor do Programa de escola Integral , atuando na Escola de Referência em Ensino Médio Olavo Bilac - Sertânia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça um comentário!
Coloque seu nome aqui