O Brasil é a quarta nação com o maior número de diabéticos no mundo, doença que afeta 14 milhões de pessoas no país, de acordo com a International Diabetes Federation (IDF). Entretanto, segundo pesquisa inédita realizada pela Abril Inteligência com o apoio da AstraZeneca, apenas 1 em cada 4 brasileiros reconhece o diabetes como uma doença grave.

O levantamento, apresentado nesta sexta-feira na endoDEBATE 2018 e publicado na revista Saúde, indica que grande parte das pessoas não compreende as consequências de não tratar o diabetes adequadamente. Isso acontece porque há muito desconhecimento sobre a doença – inclusive entre os próprios diabéticos. Quando está comprovado que a doença está associada à principal causa de morte em todo o mundo e à quinta em maior incidência no país – as doenças cardiovasculares – esse quadro de desconhecimento fica ainda mais grave.

Essa falta de informação preocupa ainda mais quando junta-se ao fato de que cerca de 40 milhões de brasileiros estão pré-diabéticos, e desse número, aproximadamente 25% devem ser desenvolver a doença nos próximos cinco anos, segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD).

“É comprovado que o tempo dispendido entre o diagnóstico e o início do tratamento terá relação direta com uma melhor ou pior qualidade de vida do paciente diabético”, afirma Carlos Eduardo Barra Couri, endocrinologista pesquisador da USP e médico responsável pela pesquisa.

O que não sabemos

Segundo a pesquisa, 37% dos entrevistados com diabetes convivem com a doença há mais de 10 anos; no entanto, 31% deles acreditam que uma vez que doença é diagnosticada não é mais possível consumir açúcar, o que não é verdade. Surpreendentemente, o número foi menor entre os não diabéticos, que representaram 26% dos que acreditam nesse mito.

Outro ponto que o brasileiro não sabe sobre o diabetes é que suas consequências incluem doenças cardiovasculares, condição que pode levar à morte: apenas 47% dos diabéticos acreditam que a doença pode causar problemas no coração e 43% acreditam que pode ser causa de acidente vascular cerebral (AVC); entre os não diabéticos o número cai para 30% e 27%, respectivamente. Dados revelam que a população relaciona o diabetes principalmente a problemas de visão e amputação. Além disso, grande parte dos entrevistados afirmaram que doenças como câncer, AIDS e Alzheimer são mais graves que o diabetes.

Outro desconhecimento está relacionado às causas da doença: entre os entrevistados que têm a doença, 50% acreditam que ela é hereditária – o que não é sempre o caso -, enquanto 35% associa o diabetes ao estresse. Para especialistas, essa falta de conhecimento sobre os riscos da doença pode ser prejudicial para o diagnóstico precoce e tratamento, afetando a qualidade de vida do paciente, além de permitir que complicações futuras possam ocorrer.

Com informações da Veja.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça um comentário!
Coloque seu nome aqui